Mulher internada para operar vesícula sai de cirurgia sem útero

Mulher internada para operar vesícula sai de cirurgia sem útero
junho 22 15:00 2015 Imprimir matéria

A cuidadora de idosos Kátia Regina Vargas Araújo, de 45 anos, deu entrada na Casa de Saúde e Maternidade Nossa Senhora da Glória, no centro de Belford Roxo, Baixada Fluminense, na semana passada, para operar a vesícula, mas acabou tendo o útero retirado na sala de cirurgia. Mais de 24 horas depois de passar pelo centro cirúrgico da unidade de saúde, Kátia e o marido, o auxiliar de serviços gerais Arnaldo Pinto Araújo, de 49 anos, não receberam nenhuma explicação sobre a mudança na operação. A clínica é particular e tem convênio com o Sistema Único de Saúde (SUS). O marido de Kátia, que soube da retirada do útero em vez da vesícula no dia seguinte a cirurgia, depois que a própria mulher ligou para ele.

“Ela ligou pra mim às 6 horas da manhã me avisando, falando: ‘Arnaldo, aconteceu uma tragédia. Eles me operaram errado. Em vez de me operar a vesícula, eles tiraram o meu útero’. Todo o prontuário, todos os exames dela, eram para fazer a cirurgia da vesícula”, conta.

Segundo Arnaldo, a cirurgia de vesícula estava marcada inicialmente para o dia 28 de maio, porém, quando a família chegou para o procedimento, a casa de saúde estava fechada. A cirurgia foi então remarcada para quinta-feira, dia 18. Kátia Regina deu entrada no hospital às 11 horas. O médico que deveria operá-la não estava na unidade e outro médico operou a cuidadora de idosos. O marido de Kátia acredita que o médico pegou o prontuário errado na hora de ir para a sala de cirurgia, já que outra paciente com o mesmo nome estava internada na casa de saúde.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, a Casa de Saúde e Maternidade Nossa Senhora da Glória já havia sido interditada no final de março deste ano por falta de equipamentos, inadequação de estrutura física no processo de trabalho e por indisponibilidade de recursos humanos. Ainda de acordo com a secretaria, a Casa de Saúde foi reaberta um mês depois após resolver os problemas. O advogado da paciente, Maximino Gouveia, fez o registro da ocorrência na delegacia de Belford Roxo por negligência médica e pretende levar o caso até o Conselho Regional de Medicina.

Fonte: Paraíba.com

 

  Categories:
Veja mais notícias

Autor da matéria

Fabiano Perfil
Fabiano Perfil

Veja mais notícias